Reflexões

Com gostinho de férias.

Essa semana acabaram oficialmente as férias do meu pequeno e ao pensar sobre isso, comecei a revisitar memórias tão gostosas que eu tenho destes tão conhecidos trinta dias, que achei que valia a pena listá-las (até sendo esse um exercício que eu adoro fazer para me forçar a usar mais minha memória – que para quem me conhece, não é lá essas coisas).

Enfim, férias pra mim tem gosto de sorvete. Picolé na verdade. Me lembro tão bem do meu pai chegando com uma caixa de picolés de morango com recheio de leite condensado e que podíamos comer até dois por dia! Dois por dia! Isso mesmo!

Férias tem também gosto de cloro, já que tivemos muitos mergulhos nesse período. E isso inclui aquela torradinha no sol e os pensamentos de “putz, realmente devia ter passado mais protetor nesse ombro”. Ou de pé na areia, aula de surf e caminhadas. Talvez um pouco de frescobol, mas com certeza milho, água de coco e tererê. E pulseiras e tornozeleiras de conchinhas. Como pude deixar isso de fora?!

Férias pra mim tem gosto de dormir tarde. Bem tarde. De decidir que estaria tudo bem arrumar todo o armário as dez da noite, pois o amanhã era sem compromissos. Ou de decidir começar um livro daquela coleção que acabou de sair (alô lançamentos de Harry Potter).

Férias tem gosto de família, de mais tempo junto. De mais brincadeiras, de muito mais brigas. De preguiças no sofá e programações completas pela cidade. Ah, como eu gostava dos passeios aleatórios das férias, incluindo idas à 25 de março.

Férias tem gosto também de risadas, muitas gargalhadas entre amigas. E acampamento. O tão sonhado acampamento de férias de Janeiro e Julho. Ouso dizer que esses eram os 14 dias mais esperados e aproveitados do ano. Alojamento, brincadeiras, festas, segredos! Ah como era incrível!

Mas de repente a gente cresce e férias começa a ter um mix de sabores. Um novo sentido. Viagens mais marcantes. Programações mais certas. Respiros e refúgios. Férias passa a ter gosto de liberdade, de recompensa. De vida. Grandes pedaços de vida.

São tantos os sabores que podemos sentir ao longo do caminho. Assim como o paladar, que hora busca por algo doce, hora por algo salgado ou azedo, as memórias de férias são assim. Passam a despertar novos sentidos, trazem outras emoções, mas independente de navegarmos por outros mares, o importante é nunca deixar de saborear.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s